Paulo Teixeira

  • Desde que o engenheiro e economista Rubens Teixeira*** – colunista do Gospel Mais – e que também é pastor evangélico, deixou de ser o diretor financeiro da Transpetro, em abril deste ano, após 7 anos na função, […]

  • Em relação à matéria publicada pela Radar On-Line da Revista Veja, em 07 de agosto de 2015, intitulada “Cargos abençoados”, é possível perceber que jornalistas ligados à Revista Veja parecem não primar pela […]

    • Renildo, sou funcionário público concursado há 27 anos. Antes de ser consagrado a pastor. Atividade que desenvolvo dentro da igreja. Do lado de fora sou cidadão como qualquer um: pago minhas contas, impostos e desenvolvo as atividades que acho pertinente. Não vou me aprofundar muito porque você foi superficial. Desculpe-me, mas aplique as verdades que você citou na sua vida e ensina a sua família. Graças a Deus, trabalho bastante e estou feliz, como muito trabalhou Daniel, José e Paulo que era construtor de tendas. Vivo do meu trabalho e respeito quem vive do salário pago por sua igreja. Se você achar que devo receber salário, dá a ideia ao pastor presidente da minha igreja. Se ele vier me fazer a proposta, o agradecerei. É melhor que ele invista os recursos da minha igreja, inclusive meu dízimo e oferta, com pessoas que trabalham na igreja e dependem desta ajuda. Graças a Deus meu ministério é diferente e, embora careça de conselheiros, Deus tem me dado a oportunidade de estar com muitos. Eles me dão excelentes conselhos.

  • O juiz federal, professor e escritor William Douglas, que escreveu em coautoria com Rubens Teixeira –colunista do Gospel + – o best seller “As 25 Leis Bíblicas do Sucesso”  e a sua continuação, o livro “Sociedade […]

  • Miniatura

    Na próxima terça-feira, dia 23 de junho, de 16h30 às 19h30,  vai ao ar, na Rede Boas Novas de TV, programa especial de perguntas e respostas no Antenados na Geral.

    Três entrevistadores estarão […]

    • Algumas pessoas usam a máxima da má fé e de crimes relacionados ao anonimato. Falam coisas que muitas vezes aplicam-se a elas mesmas e não se identificam com seus nomes porque sabem dos riscos do crime que podem estar cometendo e não querem pagar por eles.

    • rubens, não pude assistir, há a possibilidade d e rever este programa?gentileza tens o link?paz, e graça.

  • Precisamos orar pelo pastor Silas Malafaia.
    Dias atrás, quando o pastor Silas Malafaia pediu para os evangélicos pararem de bater na novela Babilônia da Globo, aquela que exibiu um beijo lésbico geriátrico, muita […]

    • “É inevitável que ambos debatedores lograrão êxito perante seus nichos. Isto sem contar que a audiência da emissora irá à estratosfera. E o ganho é tudo o que os três querem”.

    • Lopes

      Esses dias andei vendo aquele filme “O ALTO DA COMPADECIDA” e dei muitas risadas com aquele padre e o bispo que são dois ladrões!

      kkkkk!!!! Muito engraçado aquele filme!!!!

    • STURDUST

      Muito estranho, você diz: “graças a Deus eu deixei de ser evangélico.”, e ao mesmo tempo diz: ” malafaia não é digno da nossa confiança”. Além da discrepância, você usa o pronome possessivo de uma maneira como se fosse evangélico!

      Você é uma piada! kkkk!!!!

    • Nosferatu

      O que causou muito espanto, mas enfim… O filme é genial!

  • Prezado Antonio Henrique, as informações aqui publicadas tiveram por base o Jornal Folha de São Paulo e a Coluna Radar On Line da Veja. Se tais fontes não são dignas de crédito, esperamos que o deputado federal Eduardo Cunha venha a público e esclareça as questões sobre as duas denominações e os tais charutos cubanos.

    Abs

    Paulo Teixeira (…[Leia mais]

  • Prezado Antônio Henrique, se o parlamentar enviar suas respostas às perguntas feitas, por dever de justiça irei publicá-las.

    Paulo Teixeira (autor do artigo)

  • O ambiente político-religioso nos revela, volta e meia, muitas novidades, algumas notáveis, outras irrelevantes.
    Desta vez merece destaque algumas matérias divulgadas na Coluna Radar On Line, da Revista Veja, e […]

    • Prezado Antônio Henrique, se o parlamentar enviar suas respostas às perguntas feitas, por dever de justiça irei publicá-las.

      Paulo Teixeira (autor do artigo)

    • Prezado Antonio Henrique, as informações aqui publicadas tiveram por base o Jornal Folha de São Paulo e a Coluna Radar On Line da Veja. Se tais fontes não são dignas de crédito, esperamos que o deputado federal Eduardo Cunha venha a público e esclareça as questões sobre as duas denominações e os tais charutos cubanos.

      Abs

      Paulo Teixeira (autor do artigo)

  • * Por Paulo Teixeira e Rubens Teixeira
    Conhecemos vários homossexuais na sociedade e entendemos o sofrimento que estas pessoas passam, seja por conta do preconceito, seja por conta de outras questões psicológicas que incomodam esses cidadãos e cidadãs. Rejeitá-los, oprimi-los ou mesmo atacá-los por conta da sua condição não é justo e nem condizente com os princípios cristãos. Ninguém tem autoridade para tirar o livre-arbítrio de outras pessoas ou mesmo ofendê-las por conta das suas práticas. Para dizer que a Bíblia afirma ser pecado a prática homossexual, não é preciso atacar essas pessoas por conta das escolhas que fizeram ao longo da vida ou pela vida privada que levam.

    Conhecemos também alguns ex-homossexuais em igrejas. Alguns disseram ser homossexuais no passado e deixaram esta condição. E outros heterossexuais que se tornaram homossexuais. Essa é a realidade. As igrejas cristãs não costumam atacar as pessoas por sua condição. Nunca vimos um homossexual ser expulso de um templo evangélico ou mesmo ser maltratado por esta condição. O que não quer dizer que nunca tenha acontecido. A realidade é que as igrejas gostam de ajudar àqueles que precisam e aceitam ajuda. Afinal, esse é o mandamento de Jesus: “Não necessitam de médico os sãos, mas sim os enfermos.”. (Mateus 9:12).

    Os homossexuais já obtiveram no STF os direitos que queriam – mesmo que tenha sido de uma forma impostora por este tribunal ao avocar, indevidamente, as atribuições do Congresso Nacional, que se calou ante este excesso do outro poder. Os cristãos não foram para a porta do STF e nem do Congresso Nacional para obrigar aquelas instituições a mudarem este quadro. Evidente que uma pessoa adulta faz o que é melhor para si e tem condições de assumir as consequências.

    A pastora Damares Alves, assessora parlamentar evangélica, postou em sua página do Facebook, dias atrás, que ativistas pró-ideologia de gênero declararam que: “todos os evangélicos deveriam ser queimados vivos em uma fogueira no Brasil”. Isso representa dizer que esses ativistas (apoiados por muitos membros do governo e setores fortes da mídia), entendem que todos os que são contra as suas propostas danosas à sociedade não merecem apenas serem calados à força, mas devem ser mortos de forma cruel e violenta. Esse é o padrão de ativismo que temos que enfrentar. Será que cordeirinhos nos representam bem neste enfrentamento? Será que aqueles que nos representam têm atuado de maneira firme em nossa defesa, ou têm agido como cordeirinhos?

    Segundo o artigo “Ativistas pró-identidade de gênero pregam morte na fogueira para evangélicos durante votação do PNE; Pastora Damares Alves foi agredida”, publicado por Tiago Chagas no Gospelmais:

    “Um dos itens que mais preocupam as lideranças evangélicas é o que trata da obrigatoriedade do ensino da ideologia de gênero nas escolas públicas brasileiras. Essa ideologia prevê que os alunos sejam tratados sem distinção de sexo, o que é visto como uma forma de incentivo à homossexualidade”.

    Na verdade, alguns ativistas homossexuais e membros do governo que querem impor sua ideologia desagregadora da família, tentam inserir na educação das crianças princípios que vulgarizam a formação moral das próximas gerações, esperando, com isso, que se destruam as bases morais seguidas, especialmente por cristãos, e mude o perfil da nossa sociedade. Para alcançar este objetivo, eles não medem esforços. O Estatuto da Diversidade Sexual é uma grande afronta às famílias, pois, nas entrelinhas, se constitui em um estímulo às crianças se tornarem homossexuais. Na verdade, se uma criança sofrer um assédio sexual e for abusada ela poderá, inclusive, achar normal, pois o assunto sexualidade é introduzido sem a devida participação e proteção da família na sua educação, em um momento em que ela não está preparada fisiologicamente e nem psicologicamente, tendo como amparo uma suposta ação protetora do Estado.

    Como estes temas não passam facilmente nas Casas Legislativas por afrontarem a educação que a maioria da sociedade dá a seus filhos, grupos de ativistas homossexuais não medem esforços para tentar destruir a reputação de quem quer que seja que os contrarie. O ocorrido contra a Dra. Damares Alves é a exposição do pensamento totalitário e marginal que muitos desses ativistas têm em relação aos cristãos e demais cidadãos que discordam de suas opiniões e que são implacáveis na defesa das nossas crianças e das próximas gerações. Por conta disso, é muito preocupante a constituição do Congresso Nacional da próxima legislatura.

    Só para recordar, o plenário do Senado Federal aprovou, em votação simbólica, o requerimento do senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) para que o PLC 122/2006 fosse apensado ao projeto de reforma do Código Penal (PLS 236/2012), que será examinado na Comissão de Constituição e Justiça e, provavelmente, votado na próxima legislatura. Rubens Teixeira, coautor deste artigo, antecipou em “Alerta aos cristãos em 2014: conteúdo do ‘PLC122’ não foi ‘sepultado’ e unirá tropa defensora de temas anticristãos”, publicado no Gospelmais:

    “Esse ‘enterro’ do PLC122 não representa a sua morte, mas sim sua saída de cena para um breve retorno, infiltrado entre outros temas que estão no Congresso Nacional, especialmente o Estatuto da Diversidade Sexual, que traz em seu conteúdo questões muito mais sérias do que o PLC122. Do ponto de vista estratégico, os que se opõem ao seu conteúdo não devem desmobilizar-se, baixando a guarda, mas precisam estar atentos a uma avalanche muito maior que está por vir. Desta vez, com um conjunto maior de temas contrários aos princípios cristãos, citados no primeiro parágrafo deste artigo, que, juntos, levarão vários grupos de interesse a se unirem, formando uma tropa única, para tentar vencer a resistência feita pelos cristãos a vários temas propostos na reforma do Código Penal”.

    Por isso, temos que tomar cuidado porque por trás desses interesses que desprezam valores morais, defendidos na reforma do Código Penal, estão interesses mesquinhos e levianos, como de quem deseja descriminalizar o aborto, vulgarizar as crianças para pedofilia, vender drogas, explorar livremente a prostituição e tantas outras aberrações. Precisamos de um Congresso Nacional firme e de reputação ilibada, pois quando há esses debates, os ativistas levantam a vida dos parlamentares e os desmoralizam para que a sociedade se volte contra eles e desacreditem suas decisões. Como esses ativistas recebem uma “autorização indevida” do Estado brasileiro para praticarem esses crimes, como aconteceu no caso da Dra. Damares Alves, sem serem devidamente punidos ou responsabilizados na forma da lei, precisamos tomar cuidado para que não sejamos impedidos de defender nossas opiniões ou mesmo sermos obrigados a acatar silenciosamente a posição dessas pessoas. A verdade é que se não formos firmes, nossas famílias estarão vulnerabilizadas e não se sabe o que será das nossas crianças e gerações futuras.

    Observe que, passado esse constrangimento da Dra. Damares Alves, não foram ouvidas vozes à altura em uma defesa política firme e pública desta pastora. As eleições estão aí. Precisamos avaliar quem nos representará e defenderá ou quem fugirá dos debates duros e polêmicos faltando sessões, fazendo acordos ou silenciando-se oportunamente, seja por questões político-partidárias, seja por interesses econômicos. Há muita gente que fala como leão entre cristãos, mas age como cordeirinho na hora do confronto. Vamos ficar de olho.

     

    • Depois de ler esse texto ridiculo, cheio de mentiras e vitimismo, só posso concluir que voce não sabe da existencia da Bancada Evangélica que faz chantagem explicita com o governo pra enterrar todo e qualquer projeto direcionado ao publico gay.
      na cabeça de tal bancada e seus seguidores, não existe nenhum problema no Brasil, por isso passam todo o tempo perseguindo os gays.
      Deixe de ser hipócrita e vá se informar. Até a campanha de prevensão a AIDS do carnaval de 2012, foi derrubada por pressão da bancada e seus evanjecas. Estamos falando de um serviço de utilidade publica.

      E se fazem de pobres vítimas, perseguidas pelos gays,
      Agora com esse papinho da fogueira então !!
      Amigo, vá ler os comentários dos seus amigos sobre os gays, vá ler postagens de Marisa Loba e Infelicianus, Vá assitir um programa de Malafaia na TV aberta, onde fala verdadeiros absurdos sobre os gays, pra uma legial de lunáticos, Queimar na fogueira é fichinha, voces falam e fazem coisas muito piores, Deixe de ser hipócrita

      quer respeito ????
      aprenda a respetiar

    • André,

      o contrário do que possa parecer à nossa experiência de mundo mais imediata, a escravidão não é uma questão racial. Na verdade, ela não tem nada a ver com raça, e é apenas o nosso provincialismo histórico que nos faz pensar diferente disso. Se é verdade que aqui na América os negros foram escravizados, não é menos verdade que soubemos nos utilizar, também e sem nenhum preconceito, de mão-de-obra escrava indígena. Ao mesmo tempo, os índios do Novo Mundo escravizavam outros índios e as tribos negras africanas escravizavam outros negros (e os vendiam aos brancos traficantes de escravos – isso quando não escravizavam brancos também).

      Antes disso, na Europa medieval, os mouros escravizavam os cristãos e, estes últimos, os mouros. Ainda antes, os judeus foram escravizados no Egito dos Faraós. E para não parecer que os caucasianos formam a única odiosa raça que neste jogo de forças sempre esteve em confortáveis posições senhoriais, lembro que nem mesmo os povos da Escandinávia, com seus cabelos loiros e belos olhos azuis, foram poupados dos trabalhos escravos que os Vikings lhes impuseram.

      O segundo bispo do Brasil, D. Pedro Leitão (1559-1573), assinou aos 30.7.1566 na Bahia, com o Governador Mem de Sá e o Ouvidor Dr. Brás Fragoso, uma junta em defesa dos índios; defendia-os contra os abusos dos brancos e dava maior apoio aos aldeamentos instaurados pelos jesuítas.

      Pe. Antônio Vieira (1608-1697), por vezes considerado como aliado dos senhores da terra contra os escravos, na verdade assumiu posição de censura aberta aos patrões. Disse ele:

      “Saibam as pretos, e não duvidem, que a mesma Mãe de Deus é Mãe sua… porque num mesmo Espírito fomos batizados todos nós para sermos um mesmo corpo, ou sejamos judeus ou gentis, ou servos ou livres” (Sermão XIV).

      “Nas outras terras, do que aram os homens e do que fiam e tecem mulheres se fazem os comércios: naquela (na África) o que geram os pais e o que criam a seus peitos as mães, é o que se vende e compra. Oh! trato desumano, em que a mercancia são homens! Oh! mercancia diabólica, em que os interesses se tiram das almas alheias e as riscos são das próprias! ” (Sermão XXVII).

      “Os senhores poucos, e os escravos muitos, os senhores rompendo galas, os escravos despidos e nus; os senhores banqueteando, os escravos perecendo à fome, os senhores nadando em ouro e prata, os escravos carregados de ferros, os senhores tratando-os como brutos, os escravos adorando-os e temendo-os como deuses. /…/ Estes homens não são filhos do mesmo Adão e da mesma Eva? Estas almas não foram resgatadas com a sangue do mesmo Cristo? Estes corpos não nascem e morrem como os nossos? Não respiram com a mesmo ar? Não os cobre o mesmo. céu? Não os aguenta o mesmo sol? Que estrela é logo aquela que as domina, tão cruel?”. (Sermão XXVII sobre o Rosário, in Sermões, vol 12, Porto, 1951, p.333-371)

      Na Bula “Immensa Pastorum”, de 1741, o Papa Bento XIV (1740-1758) condenou a escravidão.

      O Papa Gregório XVI (1831-1846) em 3.12.1839 disse: “Admoestamos os fiéis para que se abstenham do desumano tráfico dos negros ou de quaisquer outros homens que sejam “.

      O Papa Leão XIII (1878-1903), disse na Carta “In Plurimis”, em 5.5.1888 aos bispos do Brasil:

      “E profundamente deplorável a miséria da escravidão a que desde muitos séculos está sujeita uma parte tão pequena da família humana”.

      O papel da Igreja frente à escravatura preparou a libertação dos escravos, assinada finalmente em 13/05/1888 pela Regente, Princesa Isabel. A fim de comemorar este evento, o Papa Leão XIII enviou à Princesa a Rosa de Ouro, sinal de distinção e benevolência de Sua Santidade.

      André, o que existe muito é desconhecimento histórico sobre o assunto.

    • Paulo,

      bem esclarecedor o seu artigo.

      Cabe lembrar que a discussão do PNE não findou e ainda será discutido no congresso nos próximos dias.

    • Os petistas, comunistas do pc do b e outros são todos muito ínclitos e santos !

      As manchetes dos jornais estão aí todos os dias relendo os fatos.

      • Mas pseudo católico, são todos companheiros seus libertos que compõem a TL… Gilberto Carvalho, Lula, Paulo Vannuchi, Dias Toffoli entre outros e você tem a coragem de apontar o dedo !

        Depois nós é que somos fariseus ! Seja coerente e faça um mea culpa.

    • mas não estamos comparando o Joaquim Barbosa com os lunáticos crentelhos.

      è só pra mostrar como o texto é mentiroso, escrito de um jeito que parece que os evanjecas são uns santos, que adoram e ajudam os gays, enquanto os gays querem queimar os crentelhos vivos

      Qualquer pessoa ligeiramente bem informada sabe que é tudo mentira. Evangélicos passam todos os dias da vida lutando contra os gays e seus direitos, escrevendo comentários extremamente cruéis e preconceituosos, desejando a morte de todos os gays. E agora ficam ai se fazendo de vítimas, simplesmente porque UM único gay fez o tal comentário da fogueira.
      Adoram se fazer de vítimas e são mentirosos até o último fio de cabelo

    • Janio, não se desespere.

      Ainda existe salvação, certamente fora da TL.

    • aiiiiii
      que peninha dos cristãos
      estou com os olhos cheio de lágrimas de pena de cristãos tão bondosos

      se liga seu hipócrita
      voces são piores que o demônio . . . .

    • desconstrução da familia ???
      que absurdo
      nunca vi um gay querendo desconstruir uma familia
      voces são uns loucos mesmo

  • MiniaturaA dupla derrota do movimento gay, no Senado Federal, no dia 17/dez, ocasionou revolta em muitos ativistas.

    A mais exacerbada indignação foi exteriorizada por meio do deputado e ativista gay, o ex BBB Jean […]

  • MiniaturaA aproximação da emissora carioca com o segmento religioso, desenhou-se, faz algum tempo, incluindo a contratação de artistas gospel com a gravadora Som Livre, a entrega de prêmios para cantores vencedores do […]

  • A história do povo brasileiro mostra claramente que o povo não tem iniciativa própria. Precisa de líderes. Como os líderes das manifestações vão “sair fora”, pelos motivos explicitados, o movimento democrático e […]

  • Sim, sou. provatiza-se tudo neste país. Talvez a privatização dos presídios ajudaria a resolver parte da questão.

  • O Movimento Passe Livre (MPL), que iniciou a mobilização contra o aumento das tarifas de ônibus que culminou com as manifestações realizadas em todo o país, anunciou que não vai mais convocar protestos, conforme […]

  • Prezado, o foco da matéria foi denunciar o “jornalismo” tendencioso feito por eles.

    Sobre o “representa” ou “não representa” é uma questão de opinião. O fatoé que mesmo qualquer um de nós aceitando, ou não, os […]

  • Independente do cidadão ter a opinião de que Marco Feliciano lhe representa, ou não, certo é que as Organizações Globo não podem agir de maneira tendenciosa, como fez em seu periódico.

  • MiniaturaMais uma da Globo (do Festival Promessas)
    Em meio às grandes manifestações populares que tomam conta do Brasil,
    onde a sociedade brasileira, que há décadas vem sendo alijada e esquecida pelas  autoridades, tem […]

  • Por essa ótica podemos entender então, e jamais criticarmos, quando o estado, por direito, liberar verbas para outros eventos religiosos, ou não, mas que são de parcelas da sociedade: marcha dos umbandistas, […]

  • Carregar mais